terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Arte incluidora

A educação especial precisa de uma certa atenção, no que diz respeito aos avanços e aos processos de aprendizagem. Fazendo um trabalho de interdisciplinariedade, os avanços podem ser maiores e mais positivos.
Então, envolve-se a arte, nesse processo de construção do conhecimento, e nessa modalidade de ensino, que é tão admirável. 


A música, a pintura, a dança, a poesia, o artesanato, a culinária; inúmeras extensões da arte podem contribuir para aquisição de aprendizagens ligadas às normas de conteúdo, bem como elevar os conhecimentos acerca de cultura, valores e especificidades da vida cotidiana. 


Com a ampliação dos avanços da tecnologia, os portadores de necessidades especiais devem ser incluídos e inseridos em todo o processo, para que avanços aconteçam também no desenvolvimento intelectual. É certo que o ensino das Artes ajudam, auxiliam em todo esse processo, e criam caminhos para outros disciplinas,  gerando então a interdisciplinariedade.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Brasil sil sil ...

O que faz falta é a Conscientização. Um  sujeito não conscientiza o outro. É um processo interno, independe da vontade do outro. Mas é claro, que algumas intervenções, ajudam e/ou aceleram o processo.
Nisso a Educação deve participar, mesclando com a arte, trabalhar a conscientização do sujeito inserido numa determinada comunidade.

Na imagem abaixo podemos refletir, algo que está implícito no nosso dia-a-dia.



quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Historicamente falando...

GRAFFITI é um texto, um desenho pintado ou gravado sobre uma parede ou em muros, que normalmente não são previstos para esta finalidade.

Em 1968 na França, aconteceu uma greve dos estudantes, o que fez com que eles fossem às ruas e escrevessem nos muros frases críticas à situação da época, mensagens de amor e poesias.

Com forte vínculo às crises sociais, o graffiti fica a margem do vandalismo sem ser bem aceito como arte. 

Sabemos que Arte é a forma de expressar algo que está inerente à criatividade humana, portanto qual sujeito tem desejo de provocar o outro, com frases de impacto, imagens que retratam a realidade de uma determinada classe social, senão um sujeito crítico e autônomo?

Vejam essa imagem, a crítica que ela passa, o tema que aborda e as discussões propostas.